>>Colecione moedas e cédulas do Brasil e do Mundo!!! Venha ser um colecionador...

Coisas de Pincesa

Quem foi

Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Gonzaga de Bragança, a Princesa Isabel, nasceu no palácio de São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro no ano de 1846. Tornou-se a herdeira do trono brasileiro, após a morte prematura do irmão mais velho.

Principais realizações

Filha de D.Pedro II, passou para a história do Brasil como a responsável pela assinatura da Lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil, em 13 de maio de 1888. Princesa Isabel era casada com um nobre francês, o Conde D’eu. Ela assumiu a regência do trono do Brasil em três situações em que o imperador estava viajando. Foi responsável também pela assinatura da Lei do Ventre Livre (1871), que estabeleceu liberdade aos filhos dos escravos a partir daquela data.  Com o enfraquecimento da monarquia e o estado de saúde complicado do imperador, começou a receber muitas críticas e ataques de oposicionistas republicanos, que temiam a instauração de um terceiro reinado. Por ser francês, o marido da princesa também foi muito atacado neste momento.

Queda da monarquia e mudança para a Europa

Após a queda da monarquia e a Proclamação da República (15 de novembro de 1889), foi morar, com a família real, na Europa. Morreu na França no ano de 1921.


PRINCESA ISABEL: APAIXONADA POR CÃES E POR SEU MARIDO

Não é de hoje o amor recíproco entre um cãozinho e seu dono. Nem começou no século 19 com a princesa Isabel, embora ela tenha se dedicado de corpo e alma a seus animaizinhos de estimação. Abaixo, você lerá um pouco sobre os bastidores dessa relação entre a princesa e seus cachorros, bem como sua dedicação ao marido. Em agosto de 1865 Isabel se indispôs com sua irmã Leopoldina porque "Brilhantina", uma das cadelas da princesa, fez xixi no colo de sua irmã (da princesa). O motivo do bate-boca se deu depois que Leopoldina foi tirar satisfação por causa do ocorrido. A princesa tinha o hábito de enviar cartas para Conde d'Eu, seu amado esposo francês. Em tais correspondências ela costumava desenhar a cadelina Brilhantina, para que seu marido pudesse matar a saudade. A princesa tinha outros cães. Um deles, batizado de Riachuelo (em homenagem a Batalha do Riachuelo), marcou sobremaneira a vida de sua dona. Quando seu marido estava distante, ela tirava fotografias do cãozinho e as enviava para o amado. Certa vez deixou-se fotografar ao lado da mãe e de Riachuelo e enviou a fotografia a Conde d'Eu. A princesa tratava - pelo menos na escrita - seus animais como se fossem membros da família. O cãozinho Riachuelo era mesmo um xodó da princesa, que chegava a se sentir incomodada com a saúde frágil do animal. Quando o cão estava triste, ela mandava trazer os cachorros da vizinhança para que eles brincassem com Riachuelo, que tinha o costume de ficar sobre o colo da princesa, fazendo cócegas em suas pernas. Depois que a fotografia foi inventada, no século 19, virou moda fotografar e ser fotografado. A princesa, que não ficou à parte daquela novidade, gostava de enviar às amigas fotografias de seus cachorros e o fazia com grande alegria. Ao que tudo indica o amor da princesa Isabel pelos cachorros só não foi superado pelo amor que ela sentia por seu marido, cujos registros indicam que de fato a princesa morria de amores por Conde d'Eu. A propósito, em suas cartas ao marido, ela costumava assiná-las escrevendo "sua mulherzinha", sem falar que chegou a enviar uma parte de seus cabelos ao amado, a fim de que o mesmo matasse um pouco a saudade do cheiro de sua esposa.

A cozinheira e a princesa
Em 1965, a "Folhinha" promoveu o concurso "As Mães do Ano", para comemorar o Dia das Mães. Foram escolhidas três mães: a mais idosa, a mais jovem e a com mais filhos. A mãe mais velha foi a antiga cozinheira da princesa Isabel, na época com 113 anos. Balbina Mesquita disse que a princesa "não era magra nem gorda, e o imperador usava uma grande barba." Além dela, foi premiada uma menina que foi mãe aos 14 anos, e uma mãe com 21 filhos. Na premiação, elas receberam diplomas e medalhas, além de prêmios como liquidificadores, blusas, discos e livros.
Leia abaixo o texto da edição de 9 de maio de 1965.
D. Balbina e D. Dinorah foram as mães mais idosa e mais jovem
Dinorá uma das ganhadoras do prêmio e Balbina 
Ela foi cozinheira da princesa e, depois, criada de quarto. "Ela não era magra nem gorda - afirma - era muito branca. E o imperador usava uma grande barba." D. Balbina foi casada duas vezes. Primeiro com Joaquim Lopes, que era português, depois com José Caramez Mesquita, chefe de cozinha do Hospital Central do Exército, que faleceu há 13 anos, com a idade de 83 anos. Teve 8 filhos, 40 netos, 60 bisnetos e 20 tataranetos. Nascida em Petrópolis, de um humilde casal de roceiros, Leonardo e Maria Josefina da Conceição, d. Balbina chegou a ser cozinheira de mão cheia. Uma vez, serviu salada que todos elogiaram e era capim bem preparado. Outra de suas receitas é com broto de samambaia. D. Balbina, considerada a mãe mais idosa, tem 113 anos. " Bem vividos" - diz ela. Apontada pela "Folhinha" como a mãe do ano, ela virá de Mairinque, onde reside há 27 anos, para receber a homenagem.

Cédula com a Princesa 
Existem outras cédulas alusivas a princesa em outros padrões monetários


A “REDENTORA”

D.Pedro II governou o Brasil por mais de 50 anos e seu reinado foi marcado por inúmeras transformações políticas e econômicas no país. Para evitar um processo brusco como o que ocorreu durante o Período Regencial, o herdeiro direto ao trono, i príncipe Dom Afonso, cresceu sendo preparado para governar. Todavia, o destino quis que o infante falecesse em 1847 e a jovem Princesa Isabel torna-se a sucessora de seu pai aos 11 meses de vida. Em 1850, houve o reconhecimento oficial como sucessora de seu pai quando a Assembléia Geral proclamou-a a herdeira do trono na forma dos artigos 116 e 117 da Constituição do Império. Para prepará-la na função de futura imperatriz do Brasil, D. Pedro II iniciou desde cedo um trabalho com seus estudos, contratando professores como D. Luísa Margarida Portugal de Barros, que instruíram a princesa sobre etiqueta e outros importantes aspectos da vida social luso-brasileira.Em 1864, a princesa Isabel casou-se com Luís Gastão de Órleans, o Conde d’Eu, com quem teve três filhos. O matrimônio da princesa foi um acontecimento esperado e muito comentado na época. A princesa Isabel nunca chegaria a ser imperatriz do Brasil, mas por três vezes, ela assumiu o governo no lugar de seu pai – por motivos de viagem. Em uma dessas vezes, ela acabou assinando a Lei do Ventre Livre, que estabeleceu a liberdade aos filhos dos escravos nascidos a partir daquele dia. Nessa década, o Brasil era umas das últimas nações do mundo que mantinha a escravidão, com cerca de 700 mil escravos. Havia uma campanha abolicionista contando com o apoio de vários setores da sociedade e o fim da escravidão era uma necessidade nacional. A princesa apoiava o fim da escravatura, e aliou-se aos movimentos populares e aos partidários da questão. Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a lei que colocou fim ao regime de escravidão do país, assinando a Lei Áurea. Na época, a monarquia já estava enfraquecida e o estado de saúde do imperador era complicado, ele passou a receber muitas críticas e ataques oposicionistas republicanos. Em 15 de novembro de 1889 foi proclamada a República, o que levou a princesa e a família ao exílio, no castelo do Conde d’Eu, na Normandia.

  A morte da princesa 
A princesa faleceu em 14 de novembro de 1921, ainda na Normandia. Seus restos mortais seguiram em 1953 para o Rio de Janeiro, junto com os de seu marido para o Mausoléu da Catedral de Petrópolis. Sua posição firme e suas decisões fizeram com que ela se aproximasse mais dos negros e fosse bem vista pelo povo brasileiro. Até os dias de hoje é conhecida como “A Redentora”.