Arguindo a autenticidade do 80 réis 1832 SP

Conforme já esclarecido em artigo anterior sob o título ''Os 80 réis da Casa da Moeda de São Paulo, cobre fora do padrão'' essa repartição pública (Casa da Moeda) funcionava nas dependências da Casa de Fundição de São Paulo, onde cunhou moedas de cobre no valor de 80 réis, de 1825 a 1829, com a letra monetária SP. Também aplicou os carimbos gerais de 20 e 40 réis em moedas já existentes. 

Vimos também que, devido a um erro de avaliação da administração da Junta de Fazenda, a fabricação dos discos foi entregue à firmas não especializadas que terminaram por laminar o cobre com espessura incorreta, o que gerou, como consequência, discos com o peso anômalo de 19,11 gramas (pouco mais de 5 oitavas), totalmente fora do padrão adotado para o cobre, cujas moedas eram cunhadas em discos com pesos de 8 oitavas e suas subdivisões 4; 2 e 1 oitava.

No mesmo artigo, anterior a este, falamos sobre a Decisão nr. 173, de 30/9/1829, que mandou cessar a cunhagem da moeda de cobre na Província de São Paulo que durante algum tempo continuou carente desse numerário, persistindo o problema da falta dessa moeda na região. Dessa forma, o imperador autorizou - para a Província de São Paulo, através do Decreto de 24 de Novembro de 1829 - a importação de moeda de cobre, até a quantia de 300:000$000.

Acima, o 80 réis de cobre 1832 SP, com mesmo peso de 19,11 gramas das moedas cunhadas na Casa da Moeda de São paulo entre 1825 e 1829, durante o reinado de D. Pedro I.
Ora, é fato que a situação financeira da Província não era das melhores. A escassez da moeda de cobre que servia a movimentar o comércio varejista era sentida há tempos, o que levou o imperador a ordenar importação desse tipo de moeda de outras províncias. E mais:

1. Sabemos que as moedas de cobre de 80 réis, cunhadas entre 1825 e 1829, apesar de seu peso anômalo de 19,11 gramas, são autênticas. Isso demonstra que mesmo contrariado com a displicência dos funcionários da Casa da Moeda e da Junta de Fazenda,. D. Pedro autorizou a cunhagem em discos não idôneos.

2. A Decisão nr. 173, de 30/9/1829 mandando cessar a cunhagem das moedas de cobre chegou numa época conturbada para D. Pedro I, restando pouco mais de um ano para a sua abdicação, em 1831, em favor de seu filho de apenas 5 anos de idade. O tutor do imperador-menino foi José Bonifácio, um estadista persuasivo que praticamente dominava o cenário da época, sendo substituído, após a sua prisão, por Manuel Inácio de Andrade Souto Maior, Marquês de Itanhaém.

Nota: A indecisão entre o Brasil e Portugal contribuiu para minar a popularidade e o prestígio de D. Pedro I. Os problemas do Imperador agravaram-se a partir de 1825, quando, no plano interno, fracassavam as forças brasileiras na Campanha da Cisplatina (1825 - 1827). O Imperador chegou a ir ao Rio Grande do Sul, a fim de participar pessoalmente da campanha, no final de 1826. A notícia da morte da Imperatriz Leopoldina obrigou-o a mudar os planos e retornar ao Rio de Janeiro.

Além da mal sucedida campanha militar, da perda da Província Cisplatina (em 1828), e dos constantes atritos com a Assembléia, a vida privada do Imperador também contribuía para o desgaste de sua imagem. Era notório seu relacionamento com Domitila de Castro Canto e Melo, a quem fez viscondessa e depois marquesa de Santos. O romance teve início em 1822 e durou até o segundo casamento de D. Pedro I, em 1829, com Amélia de Beauharnais, duquesa de Leuchtenberg. O marquês de Barbacena, encarregado de encontrar uma noiva para o Imperador que atendesse às exigências de nobreza, formosura, virtude e educação, enfrentara humilhantes recusas por parte de várias casas reais europeias que viam com horror o relacionamento do Imperador com a Marquesa de Santos, e o sofrimento que este causara na Imperatriz Leopoldina.

Tudo isso, aliado às dificuldades financeiras, provocaram o protesto das elites brasileiras. Apesar da renúncia, sua relação com os assuntos internos de Portugal o tornaram cada vez mais impopular no Brasil. O constante declínio de seu prestígio e a crise provocada pela dissolução do gabinete, em 1830, fez o Imperador sofrer oposição dos liberais e ocasionar uma reação popular, levando-o a abdicar, em favor do filho D. Pedro II (que tinha apenas cinco anos de idade), em 7 de abril de 1831.

3. Após a sua abdicação, D. Pedro I retornou à Europa onde assumiu a liderança da luta para restaurar os direitos de reinante de sua filha, usurpados por seu irmão D. Miguel.


Era este o cenário da época: 

4. Um imperador-menino de apenas cinco anos de idade sob a tutela de dois perspicazes articuladores.

5. Uma Decisão (a de nr. 173, de 30/9/1829) tomada por um imperador impopular, já muito longe do Brasil, e envolvido numa batalha pessoal com seu irmão.

6. Uma Província com sérios problemas financeiros e com escassez de numerário de cobre que atendesse à população.

7. Uma Casa da Moeda e Junta de Fazenda com funcionários resentidos com as decisões de D. Pedro I que os responsabilizou pela inobservância na confecção dos discos de cobre.

8. Essa mesma Casa da Moeda cheia de discos de cobre de 19,11 gramas que mesmo sendo de peso anômalo, serviriam, a exemplo do que já havia sido feito entre 1825 e 1829, perfeitamente a contornar o problema de escassez de moedas de 80 réis.  

9. A incorporação da Casa da Moeda de São Paulo pela Casa do Rio de Janeiro só aconteceu em 1834.


A tudo isso acrescentamos 3 perguntas: 

1. Se a Casa da Moeda de São Paulo já tivesse encerrado as cunhagens de cobre em 1831, como ordenava a Decisão nr. 173, por que falsificariam moedas com a letra SP, com data 1832, já que todos iriam saber que estas moedas não estariam sendo oficialmente fabricadas pela Casa da Moeda? Seria muito mais lógico falsificar moedas com outras letras monetárias, de Casas da Moeda ainda em funcionamento.

2. Por que os discos destas moedas de 1832SP tem o mesmo peso das moedas cunhadas entre 1825 e 1829? Falsários iriam se preocupar em fabricar discos de mesmo peso anômalo?

3. Sabendo que o retorno de D. Pedro I ao Brasil, com grande probabilidade, não se daria tão cedo, por que não usar os discos de cobre remanescentes das cunhagens de 1825 a 1829 para suprir a falta de moeda desse metal? O imperador agora era D. Pedro II; sendo apenas um menino competia ao seu tutor e aos que tomavam decisões em seu lugar agir para dar solução ao problema que tanto afilgia a população.  

É evidente que, assim como aconteceu com tantas moedas de cobre, também essa tenha sido falsificada. Todavia, isso não significa que todas sejam falsas. Que muitas delas são autênticas - pelo menos para nós que estudamos o assunto exaustivamente antes de postar o artigo - não resta a menor dúvida.

Conclusão: Tudo somado e, principalmente, por ter o mesmo peso das moedas cunhadas entre 1825 e 1829, a lógica nos diz que estas moedas foram fabricadas na Casa da Moeda de São Paulo, sendo portanto autênticas.

Nota: Em nosso catálogo de primeira edição, na página 651, a moeda nr. 506 (80 réis 1832 SP) é dada como falsa. Num primeiro momento, resolvemos seguir a tendência da maioria dos numismatas que aludem a falsidade dessa cunhagem. Na segunda edição, devido aos diversos estudos que realizamos sobre o assunto, achamos por bem corrigir essa informação, confirmando-a como autêntica. Também corrigimos o peso que saiu erroneamente grafado como sendo de 14,34 gramas, o equivalente a 4 oitavas. O peso correto dessa moeda é 19,11 gramas, anômalo aos pesos das moedas de cobre que, à exceção dos Vinténs de Ouro, eram medidos em oitavas não fracionadas.

Fonte: MBA editores
Arguindo a autenticidade do 80 réis 1832 SP Arguindo a autenticidade do 80 réis 1832 SP Reviewed by BRUNO DINIZ on maio 10, 2014 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.