>>Colecione moedas, cédulas, selos e cartões telefonicos do Brasil e do Mundo!!! Venha ser um colecionador...>> Entre Cédulas, Moedas, Selos e Histórias é uma página do Historiador e Numismata Bruno Diniz >> Contato: brunocelest@gmail.com >> Siga nossa coleção no Google+ >> Inscreva-se em nosso canal no Youtube!!! >>

Vamos entender uns aos outros com o "Glossário Numismático"

Muitos colecionadores não são considerados numismatas profissionais e o nosso blog é escrito e desenvolvido para todas as classes do colecionismo numismático, desde o juntador de moedas ao mais experiente numismata. Visando um maior entendimento, nosso blog hoje conta com esta postagem que poderá ajudar muito aqueles que ficam totalmente perdidos nos bate papos, nos fóruns e no facebook com termos e linguagens utilizadas pelos numismatas. Bem, vamos ao que realmente interessa:


Alguns termos utilizados pelos numismatas e pelo BC

ANVERSO face principal da cédula, da moeda ou da medalha; no caso de cédula, é a que contém seus principais elementos de identificação e autenticação, tais como efígies, os indicadores de estampa, de série, de número de ordem e as microchancelas; no caso de moeda, é a face que contém os elementos indicativos do país emissor (nome, armas nacionais, efígies etc.)

ASTERISCO sinal gráfico, em forma de pequena estrela (*), colocado antes do número de série, indicativo de série especial (ver: "série especial").

BORDO superfície curva da moeda metálica, o seu contorno, pela qual se afere a espessura.

CAMPO área da superfície plana da moeda metálica onde não há cunhagem de elementos.

CARIMBO marca aposta por órgão emissor em cédulas ou moedas com finalidades diversas, tais como: aproveitamento em outro padrão monetário, alteração de valor, restrição em área de circulação etc.

CÉDULA impresso, geralmente em forma retangular, que representa o dinheiro de papel emitido pelo Governo. Denomina-se também "nota" ou "bilhete".

CHANCELA assinatura do próprio punho, impressa, sobreposta em cédulas e outros títulos em papel.

CONFETE elemento de segurança da cédula, em forma de disco, colorido, luminescente ou não, disperso na massa do papel.
CUNHO peça em metal, normalmente em aço temperado, em cuja superfície se acha gravado o desenho invertido da moeda que se vai cunhar; com ele se imprime a gravura nos discos metálicos.

CURSO FORÇADO obrigatoriedade de aceitação, determinada por ato governamental, da moeda desprovida de lastro metálico.

DATA ano de cunhagem da moeda metálica fabricada após 31.05.1974 (Voto CMN 381/74 - Sessão 229) ou ano de fabricação da cédula.

DISCO METÁLICO diz respeito ao círculo metálico antes da cunhagem.

DÍSTICO cada uma das inscrições que constituem o texto da cédula ou da moeda metálica. Pode indicar o valor, o emissor, o fabricante, a data etc.

EFÍGIE representação de figura humana, real ou simbólica.

EMISSÃO ato de colocar em circulação cédulas e moedas.

EMISSOR país ou entidade oficial responsável pela colocação do dinheiro em circulação.

ENSAIO MONETÁRIO moeda cunhada para modelo ou amostra, confeccionada, muitas vezes, em metal diverso do escolhido para a peça definitiva.

ESTAMPA conjunto de características físicas e/ou gráficas de um grupo de cédulas.

ERA antiga expressão para designar DATA, que aparece na moeda metálica fabricada antes de 31.05.1974 (Voto CMN 381/74 - Sessão 229).

EXERGO parte inferior da moeda, onde geralmente se grava a data.

FIBRAS elemento de segurança de cédulas, em plástico ou substância luminescente, disperso na massa do papel.

FILIGRANA elemento de segurança de cédulas, também conhecido como MARCA D'AGUA, visível através de luz emergente, moldado na massa de papel sob maior ou menor densidade de pasta, quando do processo de fabricação, formando-se imagens definidas.

FIO DE SEGURANÇA elemento de segurança de cédula, em metal, plástico ou substância luminescente, colocado entre as fibras do papel, podendo conter inscrições, códigos, sinais magnéticos etc.

FLOR DE CUNHO moeda ou medalha em perfeito estado de conservação, sem qualquer sinal de circulação.

FLOR DE ESTAMPA cédula em perfeito estado de conservação, sem qualquer sinal de circulação.

FUNDO DE SEGURANÇA impressão monocromática ou policromática, em ofsete seco, sobre a qual se superpõem, nas cédulas, as impressões em calcografia e tipografia.

GRAMATURA peso do papel por metro quadrado de superfície.

GUILHOCHÊ desenhos contínuos e simétricos em que a ponta de trabalho retorna ao ponto de partida.

IMPRESSÃO IRISADA impressão multicolorida em que se verifica alteração gradativa das cores das tintas, à semelhança do que ocorre com a íris do olho humano.

INDICADOR DE ESTAMPA letra ou número indicador da estampa da cédula; varia, geralmente, quando muda o aspecto físico da cédula. É impresso em tipografia.

INDICADOR DE NÚMERO DE ORDEM conjunto de algarismos que determina a identificação individual da cédula dentro da série. É impresso em tipografia.

INDICADOR DE SÉRIE letra, número ou a combinação de ambos, indicando cada conjunto de 100.000 cédulas. É impresso em tipografia.

INDICADOR DE SÉRIE ESPECIAL indicador de série seguido de asterisco (*).

INSCRIÇÃO palavra no centro das faces da moeda.

LASTRO METÁLICO depósito em metal precioso, geralmente em ouro, que garante a conversibilidade do dinheiro em forma concreta de valor.

LEGENDA palavra ou conjunto de palavras que ocupam a orla da moeda e indicam painel, efígie ou "portrait".

LUMINESCÊNCIA elemento de segurança de cédulas, visível sob a ação da luz ultravioleta incidente, obtido por impressão ou no processo de fabricação do papel.

LUZ EMERGENTE OU diascópica iluminação que, partindo de trás do material em exame, atravessa-o, permitindo a observação de detalhes visíveis por transparência.

LUZ ULTRAVIOLETA INCIDENTE iluminação direta por luz da gama ultravioleta que provoca o aparecimento de detalhes imperceptíveis em outra gama de luz.

MAQUETE fase de composição em que a cédula, já impressos os seus principais elementos, é submetida às autoridades competentes, para a escolha do desenho. Na linguagem gráfica é a arte final.

MARCA D'ÁGUA ver FILIGRANA

MARGEM BRANCA superfície não impressa que circunscreve a gravura, com bordas de corte mecânico.

MEDALHÃO ornato, geralmente em forma oval ou circular, em que se pode inscrever uma efígie ou painel.

MEIO CIRCULANTE é o conjunto de cédulas e moedas em circulação em um país.

MICROCHANCELA assinatura reduzida impressa na cédula por tipografia ou ofsete, como elemento de autenticação.

MODELO cédula de tipo idêntico às impressas em circulação, distribuída às autoridades monetárias para comparação de legitimidade e enviada às sociedades numismáticas para estudos.

MOEDA COMEMORATIVA moeda metálica, de cunhagem limitada, lançada em circulação em comemoração a eventos importantes.

MOEDA METÁLICA moeda cunhada em metal, de curso forçado pelo valor nela gravado.

"MOIRÉ" elemento de segurança de cédula que consiste no efeito ótico gerado pela superposição ideal de vários sistemas de linhas.

MONOGRAMA grupo de letras conjugadas ou entrelaçadas.

"MOULD-MADE" processo utilizado para inserção de filigrana na cédula, no qual ela é moldada durante a fabricação do papel, sob maior ou menor densidade de pasta.

NÚMERO DA CÉDULA ver INDICADOR DE NÚMERO DE ORDEM.

NUMISMÁTICA ciência que estuda as cédulas, moedas e medalhas.

ORLA moldura que delimita a superfície plana da moeda metálica. Geralmente é mais elevada que as gravuras.

ORNATOS elementos secundários da cédula, que servem apenas para efeitos de composição artística.

PADRÃO MONETÁRIO é o nome da unidade monetária de um país.

PAINEL alegoria ou motivo que lembra a cultura do país emissor, referindo-se, geralmente, a aspectos históricos, sócio-econômicos ou artísticos.

PAPEL-MOEDA ver cédula

PODER LIBERATÓRIO poder de liberar débitos, de efetuar pagamentos, de comprar.

"PORTRAIT": efígie que retrata uma personalidade.

"PROOF" processo especial de cunhagem em que a moeda apresenta fundos espelhados e relevos fosqueados.

PROVA no processo de produção da cédula, diz-se da impressão da maquete escolhida, para aprovação definitiva; dá-se essa denominação também à moeda de tipo idêntico àquelas cunhadas para circulação, distribuída às instituições bancárias para comparação de legitimidade e enviada às sociedades numismáticas para estudo.

RECOLHIMENTO ato de recepção de cédulas dilaceradas ou das que estão sendo substituídas.

REGISTRO ANVERSO/REVERSO OU REGISTRO COINCIDENTE elemento de segurança de cédulas que consiste em composição gráfica impressa simultaneamente nas duas faces, de forma que haja perfeita superposição ou complementação de elementos do anverso com correspondentes do reverso, quando observados através de luz emergente.

REVERSO face contrária ao anverso; normalmente nela se contêm os elementos menos importantes da cédula ou da moeda.

REVERSO INVERTIDO diz-se do reverso da moeda quando a sua posição é contrária ao que foi determinado oficialmente.

ROSÁCEA ornato arquitetônico em forma de rosa; sob o aspecto gráfico, trata-se de tipo de guilhochê em que, geralmente, se apõe uma informação básica da cédula (o valor, por exemplo).

SÉRIE conjunto de cada 100.000 unidades de cédulas, de mesmo valor e estampa.

SÉRIE ESPECIAL ou DE REPOSIÇÃO série de cédulas impressas para substituição de cédulas defeituosas das séries normais, antes de sua entrada em circulação. O número da série especial pode ser acompanhado de um asterisco (*).

SERRILHA acabamento trabalhado do bordo da moeda, destinado a impedir o cerceio (raspagem).

SISTEMA MONETÁRIO conjunto de denominações de cédulas e moedas metálicas utilizado por um país, segundo lei que o cria e lhe dá curso forçado.

UNIDADE MONETÁRIA valor que serve de base ao sistema monetário.


VALOR FACIAL valor marcado na moeda ou na cédula; é por este valor que a peça tem circulação forçada, salvo determinação oficial em sentido diverso.