>>Colecione moedas, cédulas, selos e cartões telefonicos do Brasil e do Mundo!!! Venha ser um colecionador...>> Entre Cédulas, Moedas, Selos e Histórias é uma página do Historiador e Numismata Bruno Diniz >> Contato: brunocelest@gmail.com >> Siga nossa coleção no Google+ >> Inscreva-se em nosso canal no Youtube!!! >>

O homem por trás da chancela


Antes de 1929 a noção de documento histórico abrangia somente os documentos produzidos por personalidades históricas, sendo assim de cunho oficial.Em 1929 a corrente historiográfica “Escola dos Annales” alargou mais ainda o campo sobre a documentação, não considerando somente documentos escritos como única fonte de adquirir o conhecimento histórico, mas sim tudo o que lembra uma época ou uma geração, incluindo o seu meio circulante de valores (dinheiro).

Na década de 1980 quando a corrente historiográfica Nova Histórica Cultural decidiu considerar a mentalidade de um povo como documento histórico. Essa reforma historiográfica chegou ao ápice em 1987, quando Adam Scaff publica seu livro “Filosofia e Verdade” onde estipula que a pesquisa histórica vagueia entre o sujeito e o objeto, sendo esse objeto qualquer tipo de artefato que esclareça a verdade sobre algum fato histórico.
 Entre os anos de 1943 a 1953, durante as emissões iniciais de cruzeiros, o novo padrão monetário brasileiro desde 1.º de novembro de 1942, as cédulas eram autografadas pelos funcionários da Caixa de Amortização antes de entrar em circulação, da mesma forma como eram feitas as emissões em mil-réis de antes de 1942. Mas, a partir de 1953, as cédulas passaram a ter já em sua impressão micro-chancelas, que são as assinaturas dos responsáveis pela emissão da cédula impressas em tamanho reduzido na cédula. Assim, desde 1953, os diretores da Caixa de Amortização e Ministros da Fazenda passaram a ter suas assinaturas impressas nas cédulas brasileiras e a prática de autografar as cédulas nunca mais foi usada.  Hoje podemos ver as micro-chancelas do Ministro da Fazenda e do Presidente do Banco Central  nas cédulas do padrão monetário real. Mas temos um fato curioso! Muitas pessoas não sabem quem foi ou quem eram as pessoas que chancelavam as cédulas antes de 1953, certamente este é um mistério que ainda irá permanecer em nossas mentes. Mas a partir de 1953 as personalidades já podem ser identificadas e estudadas.
Nesta série de postagens contaremos a historia dos homens que chancelaram nossas cédulas através do padrão de micro-chancelas adotado no meio circulante brasileiro, boa ou ruim a história será contada aos amigos!

Não perca as postagens!!!