gtag('config', 'UA-56722592-1');
  >> PRESENTE EM MAIS DE 40 PAÍSES - Colecione moedas, cédulas, selos e cartões telefonicos do Brasil e do Mundo!!! Venha ser um colecionador...>> Entre Cédulas, Moedas, Selos e Histórias é uma página do Historiador e Numismata Bruno Diniz >> Contato: brunocelest@gmail.com >> Siga nossa coleção no Google+ >> Inscreva-se em nosso canal no Youtube!!! >>

4º. Centenário do Descobrimento do Brasil 1900 - Moedas para colecionadores

Por ocasião do 4º. centenário do descobrimento do Brasil, em 1900, foi lançada a primeira série de moedas comemorativas da República. As 4 moedas, nos valores de 400, 1000, 2000 e 4000 réis, foram confeccionadas em prata. A cunhagem foi autorizada pela Lei n°. 559 de 31 de dezembro 1898, todas cunhadas em padrão oficial. A Lei n°. 1453 de 30 de dezembro de 1905 "desmonetizou" essas moedas, sendo fixado a novo título(1) em 900 milésimos para as moedas de 500, 1000 e 2000 réis. A produção foi entregue à Comissão Central do Centenário, que era responsável pelos festejos da efeméride, sendo as peças colocadas à venda em valores acima do facial com o intuito de bancar os festejos do evento. Elas tinham amplo poder liberatório, mas não entraram em circulação diretamente. Provavelmente foram as primeiras moedas do Brasil feitas para colecionadores.


400 réis, prata, 23 mm - Em evidência, a Cruz da Ordem de Cristo


1000 réis, prata, 30 mm - A República e o progresso


2000 réis, prata, 37 mm - Caravela de Cabral sob o Cruzeiro do Sul


4000 réis, prata, 50 mm - Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil. No outro lado, as armas portuguesas em 1500 e brasileiras em 1900. Até então, a maior moeda já produzida no Brasil


16 ou 20 raios

O sol sob o chapéu de Cabral, no anverso da moeda de 4000 réis, pode ser encontrado em duas versões conhecidas: com 16 ou com 20 raios. Com 16 raios, é a mais comum.
Anverso da moeda de 4000 réis com estrela de 20 raios sob o chapéu de Cabral. Abaixo, detalhe das estrelas de 20 e de 16 raios.



Falsificações

Afora a falsificação chinesa que é muito fácil de se reconhecer - até que se consertem o cunho -, pois um dos raios inferior do sol atinge o dístico "Pedr'Alvares Cabral", falsificações mais antigas existem em quantidades expressivas. Uma forma de se reconhecer as moedas verdadeiras é dita como um "exercício pouco numismático". Sem saber-se ao certo o motivo, talvez por se tratar de uma moeda muito grande, o disco ficou abaulado. Umas mais outras menos, mas todas ficaram. Se pegarmos o 4000 réis, com o Cabral para baixo (assim, a parte côncava ficará para cima), colocar em uma superfície de vidro, e girá-la como um pião, se girar é boa. O fato de não girar é devido ao disco não estar côncavo sendo portanto, uma falsificação. Nas moedas verdadeiras, por menor que seja o abaulamento, ela girará.

Na falsificação chinesa, o raio inferior do sol atinge o dístico "PEDR'AVARES CABRAL"





Fonte: Fórum de Numismática; Livro das Moedas do Brasil